psicoterapia psicologia psicóloga zona norte sp psiquiatria saúde mental mudança de vida desenvolvimento pessoal crescimento pessoal saúde emocional qualidade de vida relacionamento terapia de casal

Se não houver pedido de perdão, você vai perdoar a quem?

Se você, assim como eu, vê todos os dias posts nas redes sociais sobre perdão, já viu milhões de textos sobre perdão, bem como aquelas imagens dizendo para perdoar as pessoas porque vai ser melhor para você (e é verdade..), esse texto não será como esses que você vê por aí.

Vejo que as pessoas confundem muito perdoar com superar e, numa perspectiva psicológica, há uma diferença considerável entre os dois. Seja de que religião for, certamente o perdão é um tema sempre em voga, mas esquece-se de tornar relevante o princípio fundamental sobre ele, que é a existência de arrependimento. Em um pressuposto religioso, se tomarmos a bíblia como exemplo, você vai encontrar nas passagens sobre o perdão ao outro, o arrependimento vindo como princípio para o ato de perdoar (mesmo que 70×7…).

Ao seguir em frente nessa leitura, lembre-se que não estou falando de uma perspectiva religiosa, mas psicológica.

 

 

perdão

Partindo desse princípio, não é possível existir perdão sem existir o pedido do perdão, senão, a quem você estará perdoando? Neste caso, o que você pode é superar a situação, pois é a única coisa que você pode fazer sem a atuação da segunda pessoa. Além disso, o pedido de perdão sem nenhuma mudança de quem causou a ferida, tira a credibilidade e a legitimidade do arrependimento. Já vi escritas sobre perdoar um indivíduo que já faleceu, certamente essa é mais uma perspectiva religiosa que psicológica, pois neste caso o que pode haver é a superação de tudo o que foi causado para seguir a vida livremente.

Algumas pessoas pedem perdão aleatoriamente, simplesmente pela angústia ou desconforto delas próprias após o ocorrido ou pelo distanciamento que sua atitude pode gerar na relação. Ou seja, o pedido não é por reconhecer o que gerou, mas sim por conta das perdas pessoais que podem ter após o ocorrido. Isso não significa que sabem, de fato, o que causaram. Frases do tipo “desculpe qualquer coisa”, “perdoa-me por tudo”, “tá bom, me desculpe”, não são necessariamente um pedido de perdão. Dizer por que exatamente está pedindo dá à pessoa que sofreu a certeza que sua dor foi reconhecida e legitima o arrependimento que vem junto do pedido. Por isso, o verdadeiro pedido de perdão exige que se explicite o motivo pelo qual está pedindo como: “me pedoe porque fiz tais e tais coisas, que lhe causaram tais sentimentos e tais consequências”.

Perdoar é uma virtude, é feliz sim o que perdoa, o que você deve saber é quando o exigido é o perdão e quando que o necessário é a superação. Ambos são libertadores e ambos têm o seu lugar.

Claudia Madu- Psicóloga e Coach de Relacionamento

contato@claudiamadu.com.br

 

Deixe uma resposta